O exercício da previsão

Viver é fazer escolhas. E é possível que seja exatamente nessa obrigação diária que se esconda a grande causa da ansiedade humana. Sim, pois a escolha pressupõe, em geral, várias renúncias. Ao escolher um sabor de sorvete você está abrindo mão de todos os outros sabores. Portanto, a escolha nos dá menos do que o que perdemos, e isso gera um desconforto interno chamado ansiedade, que tende a desaparecer, ou diminuir, depois da escolha feita. Se essa premissa vale para o sorvete, vale também para as carreiras, para as opções estratégicas da gestão, para os investimentos, para as aquisições, e assim por diante.
 
Liderar também é uma escolha e, ao fazer essa opção, você abre mão do conforto de não liderar, de apenas seguir. Líderes optaram por liderar, então optaram ter de decidir. Por isso precisam praticar o exercício da previsão, que é o mesmo que tentar vislumbrar todos os caminhos que podem levar ao destino desejado. Optar por aquele que é o melhor. O duro é saber qual é esse melhor.
 
Nesse caso, adivinhação não adianta. O que adianta é informação, capacidade para processar essa informação, lucidez para vislumbrar todas as opções, habilidade para separar as melhores e, finalmente, coragem para decidir. Max Weber chamava essas informações já tratadas de evidências e alertava para sua importância. Entretanto, o próprio Weber preocupava-se com o fato de que as evidências são percebidas pelas pessoas por meio do aparelho psicológico de filtros, nos quais encontramos o sistema de crenças e os desejos da pessoa. Em outras palavras, não é suficiente ter boas informações, é preciso também saber o que se deseja, que preço se está disposto a pagar, qual seu conjunto de valores e assim por diante.
 
É possível que você seja informado que o mercado para pianistas clássicos é pra lá de restrito. Isto é informação. Mas é exatamente esse seu grande sonho e você acredita fortemente em seu potencial. Neste caso, a restrição do mercado passa a ser relativa, pois, para os grandes talentos, os espaços sempre se abrem. É uma lei física. Ou quase!
 
Texto publicado sob licença da revista Você s/a, Editora Abril.
Todos os direitos reservados.


Visite o site da revista: www.vocesa.com.br