Os caminhos e as pedras

Dogtown, na região de Boston, não é exatamente um lugar de grandes atrativos turísticos, e também não é próprio para a agricultura ou para a indústria. Acidentado e pedregoso, é procurado só pelos que gostam de trilhas rústicas, mas quem o visita acaba tendo algumas surpresas. De repente, assim do nada, aparece uma grande pedra com uma inscrição simples, mas inspiradora, do tipo “Quem não tenta nunca vence”, ou bem prática, como “Fique longe das dívidas”. Há dezenas de pedras assim, e nota-se que quem fez a inscrição teve um trabalho considerável.

O que há por trás desse mistério? Uma bela história: durante a Grande Depressão, que seguiu a quebra da Bolsa em 1929, alguns homens de posses se dedicaram a ações beneficentes para acudir aos menos favorecidos. Um deles, entretanto, não acreditava em caridade, então “contratou” operários desempregados e os desafiou a esculpirem as pedras e, para que se sentissem realmente úteis, deviam gravar frases que lhes fizessem sentido e que que pudessem ajudar a outros. O resultado são as pedras de Dogtown.

O homem? Um tal de Roger Babson, engenheiro formado pelo MIT e criador de um instituto de análise de riscos para investimentos. Babson, aliás, foi o primeiro que previu a tal quebra da Bolsa de NY, e depois chegou a ser candidato à presidência dos EUA, perdendo para Franklin Roosevelt.

Além de previsões, pedras inspiradoras e grande fortuna, Babson criou várias empresas e fez muito mais: fundou uma escola que, segundo sua orientação, devia ter, como eixo central, a preparação dos jovens para empreenderem seus próprios negócios. Hoje a Babson College é a grande referência quando se trata de preparação para o empreendedorismo, já formou milhares de empreendedores, inclusive muitos brasileiros, e não abandona seu eixo nem os princípios de seu fundador.

Para Roger Babson um empreendedor precisa de conhecimento, por isso fundou a escola. Mas, dizia ele, o conhecimento é apenas a ferramenta. O que vai mesmo fazer surgir a obra é o braço moral que vai utiliza-la, e este é enrijecido pelo autocontrole e pela disposição à luta a ao sacrifício. Sem isso uma pedra continua sendo apenas uma pedra. Com, pode se transformar no que se queira, inclusive em uma grande inspiração.

Texto publicado sob licença da revista Você s/a, Editora Abril.
Todos os direitos reservados.Visite o site da revista: www.vocesa.com.br